Jovem afirma paralisação nas pernas após atendimento no PA de Caucaia do Alto

Uma moradora de Caucaia do Alto, entrou em contato com a nossa reportagem, após 4 dias de desespero por conta de uma passagem pelo Pronto Atendimento de Caucaia do Alto, em Cotia.

A jovem de 19 anos, que está sem andar, perdeu totalmente a sensibilidade de ambas as pernas, do joelho para baixo e afirma que tudo aconteceu após a aplicação de uma injeção de Fenergan na região do glúteo.

Ela conta que sofre de bronquite e frequentemente apresenta crises de asma. No ultimo dia 15, a jovem apresentou nova crise e foi levada pelo namorado as 3h00 da manhã ao PA de Caucaia.

A médica que a atendeu receitou uma injeção de Fenergan, inalação e soro fisiológico e após a medicação lhe deu alta e a liberou para retornar a sua casa.

Pela manhã, após tomar café da manhã, a jovem sentiu perda do movimento das pernas, do joelho pra baixo.

Levantei normal, tomei café. Tudo normal. Sentei um pouco na cama e após uns 15 minutos parada, minhas pernas travaram, perdi os movimentos e a sensibilidade; Conta a jovem.

Achando estranho a situação, ela foi levada as pressas, novamente ao PA de Caucaia.

Eu disse que tinha acontecido alguma coisa errada, eu não estava conseguindo andar. Me deram Complexo B, que segundo eles iria reverter a reação. Mas nada ocorreu. Como eu também estava com dores eles administraram Dipirona.

Devido a gravidade e complexidade da reação, o PA tentou transferi-la ao Hospital Regional de Cotia, mas a transferência foi negada.

Foi então que o namorado e a sogra da jovem,  levaram-na por conta própria ao Hospital Regional. Lá, foi receitado novamente outra dose de Complexo B.

Mesmo com a medicação a jovem continuou sem a sensibilidade das pernas.

Os médicos solicitaram exames de sangue e uma tomografia, mas aparentemente os resultados não mostraram nenhuma alteração.

Com os resultados negativos e sem um diagnostico, a 1h00 da manhã o hospital deu alta a ela, dizendo que deveria procurar um neurologista, mas não deram nenhuma guia para o especialista.

A jovem ainda muito assustada, conta que foi até na USP, porém informaram que não poderiam atendê-la.

Estou sem andar há 4 dias e com muita dor na coluna, sem sentir as perna e sem conseguir ficar de pé. Está sendo um “baque” para minha família e o Hospital sem responsabilidade nenhuma.

A jovem pede para que compartilhem, para que o caso não volte acontecer com outras pessoas.

 

Comments

comments

Inline
Inline